domingo, 20 de maio de 2018

Resolution 1696 (2009)1 Engaging European diasporas: the need for governmental and intergovernmental responses 1. Migration from other continents and from eastern to western Europe has long existed and will continue to spread as long as disparities persist between living standards, incomes and political situations. However, policies to manage the many challenges and opportunities that emerge with these movements have not kept pace with the development of this phenomenon. 2. The Parliamentary Assembly has been engaged in dealing with the issue of Europeans living abroad and their links to their homelands for the last fifteen years. It regrets that in the particular aspect of the establishment of links with European diaspora communities, policy making has been lacking. 3. There is nevertheless a growing understanding in Europe that labour mobility, if well managed, can be advantageous both for destination countries and countries of origin. How best to manage mobility, multiple identities and diversity in a way that can maximise engagement of diasporas both in countries of origin and host countries is a challenge that governments need to tackle today. 4. The Assembly considers it essential to strike and maintain a proper balance between the process of integration in the host societies and the links with the country of origin. It is convinced that seeing migrants as political actors and not only as workers or economic actors enhances the recognition of their capacity in the promotion and transference of democratic values. The right to vote and be elected in host countries and the opportunity to take part in democratically governed European non-governmental organisations can enable diasporas to endorse an accountable and democratic system of governance in their home countries. Policies that grant migrants rights and obligations arising from their status as citizens or residents in both countries should therefore be encouraged. 5. The Assembly regrets that, notwithstanding its long-standing calls to revise the existing models of relations between expatriates and their countries of origin, relations between member states of the Council of Europe and their diasporas are far from being harmonised. Many member states from central and eastern Europe are only beginning to recognise the potential development and other benefits of engaging their diasporas in a more institutionalised manner, especially in the context of the current global economic crisis. 6. The Assembly reiterates that it is in the interest of member states to ensure that their diasporas continue to actively exercise the rights linked to their nationality and contribute in a variety of ways to the political, economic, social and cultural development of their countries of origin. It is convinced that globalisation and growing migration may have an impact on host countries in many positive ways by contributing to building diverse, tolerant and multicultural societies. 7. The Assembly acknowledges that states have particular responsibilities towards their expatriate communities where such communities form a significant national minority in another state. However, it disapproves of all forms of political manipulation of diaspora communities, including as a means of promoting expansionist policies. For example, the Assembly maintains that any large-scale “passportisation” should be regulated by bilateral agreements between the states concerned and must abide by the principles of international law. 8. In the light of the above, the Assembly calls on the member states of the Council of Europe to focus on elaborating migration policies that are comprehensive and regard diasporas as vectors of development, to promote an institutional role for diasporas through dialogue and regular consultation and to offer policy incentives to diaspora communities or representatives willing to engage in homeland development. 9. In particular, the Assembly encourages member states, as countries of origin, to adopt the following policy incentives: 9.1. civil and political incentives: 9.1.1. develop institutions and elaborate policies for maximum harmonisation of the political, economic, social and cultural rights of diasporas with those of the native population; 9.1.2. ease the acquisition or maintenance of voting rights by offering out-of-country voting at national elections; 9.1.3. involve diasporas in policy making, in particular concerning the issues of nationality and citizenship, as well as political, economic, social and cultural rights; 9.1.4. gather information on nationals living abroad and allow them to have their own representation in domestic politics, through the creation of ministries of representation for diasporas; 9.1.5. use the channel of embassies and consulates abroad to build confidence with diasporas through the provision of specific services and useful information; 9.1.6. promote diaspora networks and associations by drawing up a road map for supporting their establishment, and discuss the ways in which home and host countries can become active partners with diaspora networks; 9.2. fostering return: 9.2.1. put in place policies to encourage permanent or temporary return and promote “brain gain”; 9.2.2. create all necessary conditions for diasporas willing to return to their home countries to foster adaptation and ensure full enjoyment of their tax, retirement and other economic benefits; 9.2.3. facilitate the movement of diasporas (multiple-entry visas, long-term residence permits, entry concessions for diasporas with host country nationality); 9.3. encourage remittance flows through proactive legislative and regulatory policies, which avoid the application of double taxation, create proper legal and regulatory frameworks allowing effective use to be made of remittances in various investment areas and link remittances to other financial services (savings accounts, loans, social insurance, etc.); 9.4. promote diasporas’ entrepreneurship through transparent customs and import incentives, access to special economic zones and to foreign currency accounts, and inform them about investment opportunities; 9.5. develop policies for bona fide recognition of diplomas and certificates obtained outside the country of origin. 10. The Assembly encourages member states, as countries of destination, to: 10.1. review migration policies with a view to according migrants greater rights and obligations, harmonising as much as possible the rights of non-citizen diasporas with those of citizens in the host countries; 10.2. consider the possibility of granting migrant workers the right to vote and to stand in local and regional elections after a residence period of five years; 10.3. adopt a more flexible legal framework that offers regular migrants the possibility of unrestricted movement between country of origin and destination country, while preserving their immigrant status in the destination country; 10.4. elaborate policies allowing migrants to participate in the development process in countries of origin; promote training and capacity-building programmes, transfer of competence, know-how and flows of foreign capital and conduct development projects coupled with development aid; 10.5. actively involve members of diaspora communities in the elaboration of integration programmes for labour migrants. 11. The Assembly encourages the international community, and in particular the International Organization for Migration (IOM) and the International Labour Organization (ILO), to stay actively involved in the issues relating to diasporas and development. In particular, it calls upon relevant partner organisations to: 11.1. clarify the different concepts, classifications and definitions concerning diasporas with a view to harmonising the concept at European level, taking into account the evolving and dynamic nature of the concept of diaspora; 11.2. facilitate collaboration between diaspora organisations, including professional organisations, and other European development non-governmental organisations through incentives such as partnership funds, which could make it possible for the mainstream development agencies and the diasporas to engage with each other; 11.3. encourage collaboration among academic institutions and support international research projects related to diasporas and the migration-development nexus issues. 1. Text adopted by the Standing Committee, acting on behalf of the Assembly, on 20 November 2009 (see Doc. 12076, report of the Committee on Migration, Refugees and Population, rapporteur: Mrs Bilozir). See also Recommendation 1890 (2009)

Prefácio para UMA HISTÓRIA DE VIDA (FASCINANTE)

De novo, em Portugal, o nosso admirável Cônsul em Melbourne - homenageado pelo Secretário de Estado numa reunião mundial de cônsules honorários, depois por várias Câmaras do Alto Minho, que é o seu berço. A sua autobiografia esteve, de novo em debate, com jovens para quem o seu percurso de vida é fonte de esperança e de inspiração, porque lhe diz "Yes, you can". Está hoje de partida para a Austrália, com a promessa de voltar em breve. No meu prefácio, um breve relance pelos seus intensos mais de noventa anos de vida. O PREFÁCIO Numa linguagem simples, límpida, coloquial. que nos prende da primeira à última página, esta narrativa na primeira pessoa do singular não cessa de nos surpreender e encantar, através de uma vertiginosa sucessão de factos, de aventuras, e de encontros com pessoas, no quadro de variadas realidades sócio-culturais, em paragens longínquas..É uma trajetória individual meteórica que acompanhamos, aceitando o convite do Autor para uma longa viagem de memórias, que atravessa épocas, regiões, continentes, desde remotos lugares do Alto Minho, como Cousso, Cubalhão, a Serra da Peneda (onde um menino orfão e desprivilegiado pareceria condenado a crescer e trabalhar num confinamento insuperável), até aos espaços imensos, aos horizontes que alargou, com o seu inconformismo e uma insaciável vontade de conhecimento, caminhando, os pés na terra, de terra em terra, incansavelmente, indo cada vez mais longe - primeiro num Portugal que o discurso do "Estado Novo" concetualizava como uma unidade pátria pluricontinental, que, sob a mesma bandeira, se estendia "do Minho a Timor". O jovem Carlos Lemos vai precisamente do Minho a Timor, cruza os mares, ajuda a desbravar matas virgens, nas margens de rios africanos, a explorar as costas das possessões portuguesas do Indico ao Pacífico, ultrapassa fronteiras, converte-se ao destino tão português da emigração, na lonjura do sul da África e da Oceânia... "História de uma vida", assim denomina, discretamente, como é seu timbre, tão fascinante encadeamento de relatos, confidências, observações, comentários e ensinamentos do maior interesse histórico, antropológico, político. A primeira tentação de quem a lê é o de lhe acrescentar adjetivos expressivos, como "vida excecional", ou "vida fantástica"! Desde o princípio, desde a infância, o mais insólito e espantoso é que todas as decisões, afinal tão avisadas, são dele, apenas dele, depois de terminar prematuramente a escola, e de ficar entregue a si mesmo, em trabalhos árduos, trabalhos de adulto, que despertam a sua precocidade e força de ânimo. E, assim, em dificuldades e desafios ilimitados, se forja uma personalidade independente, honesta e tenaz, mas também sensível e gentil. Num dos seus primeiros empregos urbanos, em Monção, num café bem frequentado, um velho e arguto doutor diz-lhe, a certa altura: "és um perfeito diplomata!". Retive, muito em especial, essa exclamação profética, porque, cerca de quatro décadas decorridas, quando o Dr. Carlos Lemos organizou a minha primeira visita a Melbourne, e o conheci mais de perto, não fiz, mas poderia ter feito idêntica apreciação. Ali estava um diplomata nato, amabilíssimo, hábil e pragmático, qualidades que juntas, em regra, não se encontram. Ali estava um emigrante que prosseguia, apaixonada e eficazmente, a missão de enaltecer a história e os valores eternos da lusofonia, e de defender a imagem e os interesses dos seus compatriotas - antes mesmo de ser nomeado cônsul honorário. O seu dom natural de se aproximar das pessoas (independentemente da classe social, do estatuto académico, de tendências ideológicas, de origem étnica, de idade...) a par de uma inteligência invulgar explica, o que, por modéstia, nunca explicita: a facilidade com que, rapaz solitário, vindo de um pequeno povoado rural, é aceite nos círculos mais fechados e "snobs" das elites de então, ou nas tertúlias de estudantes, com quem, sem dúvida, aprende a reflectir e debater sobre quaisquer questões É na sua nova profissão de topógrafo - com formação, em boa hora, adquirida nas Minas da Panasqueira - que conversa, em Cascais, com o Presidente Carmona, e convive com as netas do Presidente, com jovens da alta burguesia. A Póvoa do Varzim é o destino seguinte, e bem marcante, no extenso roteiro que tem pela frente. Faz parte de grupos de estudantes e recém licenciados. É aí que decide retomar os estudo e completa cinco anos do liceu de uma vez só! Mais tarde, em Moçambique, conta entre os seus íntimos Paulo Vallada, João Maria Tudela e, como eles, pertence ao mais seletivo dos clubes, o Clube de Lourenço Marques. Em Pretória, é amigo de Mary, a filha de Henry Oppenheimer, de Tamara, a ex-toureira, em Durban, de Jonathan, o filho de Alan Paton, do próprio Alan Paton, que o estimava muito, e em casa de quem conhece personalidades como Mandela, Oliver Tambo, Sisulu e Lutuli e tem o privilégio de assistir a inúmeras conversações entre eles -, em Hong Kong do famoso português que, como Presidente da Câmara, projetou a cidade para o apogeu, o Comendador Arnaldo Sales, em Timor, de Ruy Cinatti, a quem admira imensamente, na Austrália de Kenneth McIntyre, cujas teses sobre a descoberta portuguesa deste país defende e apregoa por todo o lado, a começar por Portugal e por Macau (onde, por sua influência, o Museu Marítimo dedica, atualmente, uma secção a esse achamento secreto e onde o texto original inglês veio a ser traduzido para a nossa língua). Exemplos, entre centenas. de ilustres personalidades que se nos tornam familiares nas páginas deste livro! De destacar ainda, relacionamentos ocasionais e incomuns, caso de Samora Machel (que dele cuida no Hospital de Lourenço Marques!), e, numa conturbada Indonésia, durante umas férias improváveis, da mulher do General Yani, Chefe do Estado-maior das Forças Armadas, e ela própria uma celebridade. A Senhora Yani, logo convida o simpático casal Lemos para animados passeios por lugares turísticos, receções e jantares, e até para uma visita a casa de Sukarno. Um português de quem, obviamente todos gostam - moçambicanos, timorenses, indonésios, egípcios, sul-africanos, negros e brancos, aborígenes do deserto australiano... artistas, homens de letras e ciências, empresários, embaixadores, políticos de um sem números de países. Uma impressionante rede universal de contactos fraternos, que ficam para sempre, que cultiva e reencontra em intermináveis digressões. Como não olhar, retrospetivamente, séculos de história, e lembrar a velha arte portuguesa de fazer amigos entre gentes de todo o Globo? No século XXI, este português dá-nos a certeza de que somos ainda o mesmo povo, com a ânsia de movimento, de que se teceu o "século de ouro" dos Lusíadas - movimento de caravelas, de homens, de ideias, e, frequentemente, de afetos também… Em meados do século XX, a um ousado Carlos Lemos, com pouco mais de 20 anos, a especialização em topografia e hidrografia faculta modernos meios técnicos de exploração ou reconhecimento da terra e dos mares, primeiramente ao longo do retângulo continental, depois, em Moçambique, nos vales do Limpopo, do Rio dos Elefantes (já na fronteira norte da RAS) , em Timor, de lés a lés, e, posteriormente, nos desertos da Austrália, onde percorre, em trabalho de campo, 34.000 km, inscrevendo o seu nome como pioneiro em diversos lugares então intocados de território austral. Ao tentar esta breve apresentação (certamente arbitrária e redutora....) da sua autobiografia, devo acrescentar que a considero uma digna herdeira da literatura de viagens de sabor quinhentista, na medida em que o Autor vai muito além de uma mera menção de ocorrências, de apontamentos sobre lugares de exótica beleza - que também abundam... - para nos dar a sua visão sobre costumes, conflitos sociais e políticos, sobre personalidades que deixaram indeléveis marcas na história. É a mundivisão de um homem culto e cosmopolita, do sociólogo e do observador político, que já era, antes de terminar os estudos universitários nestes domínios (iniciados na África do Sul, onde conhece Molly, sua futura mulher, e concluídos, uns anos depois, em Melbourne). Um incansável "peregrino em terra alheia" (como o definiria Adriano Moreira), disposto a partilhar com o leitor mil e uma experiências vividas, vicissitudes e sentimentos, mais o seu sentido de humor, que irrompe aqui e ali, direcionado de preferência a si próprio, na menção de alguns pequenos desaires, pelos quais se penitencia, com muita graça... O casamento com Marion Murray, a jovem de origem britânica, doutorada em psicologia, que se lhe junta nessa "ilha do fim do mundo" , Timor , a revelar um simétrico gosto pela aventura e pelo movimento (juntos, levados pelo trabalho de um ou de outro, ou pelo puro prazer do turismo, darão várias voltas ao mundo.....) iria, a breve prazo, ser o início de uma "segunda vida" para ambos - a vida de emigrantes, definitivamente enraizados num novo país. A carreira académica da Professora Marion, centrada na Austrália, será o factor de estabilização. A partir daqui, a autobiografia regista novas profissões exercidas pelo Autor, em Melbourne - professor da universidade, do liceu, agente de bancos comercias, gestor... E revela-nos, também, uma nova faceta: a de líder, de principal construtor de uma comunidade forte e coesa, onde antes só havia portugueses dispersos e ignorados na sociedade de acolhimento... A partir de então, com o seu "ímpeto de Portugal (como diria Pessoa) e capacidade de mobilização, a história dos portugueses em Victoria fica intimamente ligada à sua própria história. Um exemplo que os estudiosos da génese das comunidades da emigração contemporânea e da nossa diáspora precisam de analisar, como um "case study"! Na verdade, muitas famílias portuguesas estavam já radicadas naquele Estado, mas sem qualquer dinâmica de agregação entre si. Tudo muda pela ação e pelo carisma de um "homem de causas". Começa pelo fundamental: cria uma escola de português (em 1972), um programa de rádio em língua portuguesa, do qual é diretor e locutor, uma "Comissão de atividades da comunidade", (a que preside, entre 1976 e 1984). o"Portuguese Community Trust", (1983), cooperativa destinada a angariar fundos para uma sede associativa condigna, projeto que, por obstáculos burocráticos, é reconvertido, dando origem ao famoso "Café Lisboa", restaurante português de alto nível, no centro de Melbourne, que atrai as elites políticas e culturais da cidade e oferece, como era sua vocação inicial, um espaço aberto a iniciativas comunitárias. O Dr. Carlos Lemos vê-se na obrigação de encabeçar o projeto reconvertido, garantindo-lhe um sucesso espetacular. Aí recebe muitas individualidades do mundo lusófono de visita ao país: D Ximenes Belo, o Dr. Ramos Horta, o Dr.Alberto João Jardim, Carlos do Carmo, os escritores da diáspora Vasco Calixto e Marcial Alves, o Secretário de Estado Correia de Jesus, o Governador Rocha Vieira (com quem se inicia uma colaboração estreita com Macau), os sucessivos embaixadores e cônsules de Sydney e tantos outros… A não esquecer o chamativo lançamento de um CD de música para as crianças de Timor, que foi trazido em mão pelo Arcebispo Deacon, depois de aterrar de helicóptero, num terreno contíguo ao Café Lisboa!. Anteriormente, enquanto dirigente da "Comissão de atividades", promovera as primeiras festas a Nª Sª de Fátima, com uma procissão que circulou nas ruas de Melbourne, e à qual não faltaram o Arcebispo da diocese, o Ministro da Imigração, o Cônsul-Geral de Sidney e outras individualidades (que obviamente aceitaram o convite de um amigo especial...), para além de uma multidão de milhares de portugueses, que, assim, ganham visibilidade na sociedade australiana. A visibilidade da Pátria - da sua história, das suas tradições e qualidades bem vivas na emigração - é uma causa maior assumida numa ação constante, em que podemos destacar: a divulgação das teses de Kennett McIntyre sobre a descoberta secreta da Austrália pelos navegadores lusos, corroborada pelas investigações de PeterTrickett (sobre o Atlas Vallard de 1547) e do Professor catedrático John Mollony (sobre vocábulos de origem portuguesa entre os aborígenes) e a procura de outros laços de ligação com a Austrália - como o facto do que é considerado o fundador da nação moderna, o Governador Arthur Philip, ter sido oficial da nossa Marinha, ou o enfoque na nacionalidade portuguesa de Artur Loureiro, o grande pintor portuense, porventura, hoje, mais recordado em Melbourne, onde se radicou por uns anos, do que na terra onde nasceu, ou na solidariedade luso - timorense dada a Bernard Collinan, herói australiano, que comandou a "Coluna independente", na resistência ao invasor japonês, durante a grande guerra, e que também foi seu amigo. Há, porém, um feito que deve ser salientado, como expoente máximo, pois só por si, mais do que justificaria a alta condecoração, que, em 2002, lhe foi entregue pelo Presidente Sampaio: a proposta, bem concretizada, de erguer, em solo australiano, um padrão evocativo dos navegadores portugueses. Foram muitas e morosas as diligências que permitiram garantir o espaço perfeito, numa belíssima colina sobre o mar agreste, em Warrenambool (onde, em oitocentos, foram avistados, por inúmeras testemunhas oculares, os vestígios prováveis de uma caravela quinhentista) e, ulteriormente, uma inauguração, com honras de presença dos mais altos representantes do Estado: o Governador Geral, o Embaixador de Portugal, Ministros, deputados, Kenneth McIntyre, uma massa imensa de participantes e, o que não é despiciendo, com uma enorme cobertura dos grandes "media"! Warrenambool é, doravante, um lugar de culto da história e da presença portuguesa. O “Portuguese Festival”, de periodicidade anual, atrai milhares de turistas ao monumento (entretanto enriquecido com a inauguração das estátuas do Infante D Henrique e de Vasco da Gama, oferecidas, por proposta do Dr Carlos Lemos, pelo último Governador de Macau – evento muito mediático, a colocar Portugal, novamente, no centro das notícias). Em que outro país ou continente, dos que foram, como sabemos, descobertas secretas de Portugal, conseguiu a nossa diplomacia algo de semelhante? Obviamente, em mais nenhum… É, assim, uma realização esplêndida e única, a coroar uma consistente trajetória de intervenção, em defesa das pessoas e dos valores nacionais, junto dos Governos, de lá e de cá - intervenção lúcida e corajosa nos domínios da emigração, da lusofonia, da política internacional, com uma participação ativa nos “fora” e congressos mundiais da Diáspora, com uma voz que clama, desassombradamente, contra o negativismo dos historiadores, ao renegarem teses verosímeis, favoráveis à grandeza pátria, contra a mediocridade dos políticos e servidores públicos, contra a injustiça e a intolerância. Uma palavra final para agradecer ao Dr. Carlos Lemos a sua amizade e a sua preciosa colaboração de décadas, na luta pelos direitos dos emigrantes e dos timorenses e, também, para manifestar ao Homem e ao Português, a minha admiração, pela forma como soube dar um sentido humanista e fraternal ao movimento incessante da sua vida, que muito ainda nos promete. Manuela Aguiar Espinho, 12 de Agosto de 2015

quinta-feira, 17 de maio de 2018

SÉRGIO, UM TREINADOR PORTISTA, UM TREINADOR À PORTO 1 - Para mim, festejar um título é sempre subir ao céu (ao céu muito azul), mas o campeonato ganho neste maio de 2018, foi especialíssimo! Fez renascer a esperança no recomeço de um longo ciclo vitorioso, e acordou memórias da primavera de 1956, de um outro campeonato alcançado contra a predestinação, o impossível, ou, talvez, afinal, simplesmente, forças mais ou menos ocultas. 1956! A primeira vitória azul e branca no meu tempo de vida, quando o centralismo nacional ditava o vencedor antecipado, com regras não escritas, mas cumpridas (como nas eleições em ditadura). Só os da minha geração (privilégio da idade) podem comparar, em tudo o que têm de espantosamente semelhante, duas equipas separadas por mais de sessenta anos de história - a de Yustrich e a de Sérgio Conceição. Em ambas, sobressai o treinador, que as impulsiona à sua imagem, unindo um coletivo, em que todos são iguais. Ambas entram em campo de rompante, e partem para o ataque, com a intensidade que o líder lhes inculca, sem nunca vacilar ou desistir. Ambas se apresentam desfalcadas de nomes sonantes, parecendo de menos para o feito enorme que se lhes exige. De fora, poucos acreditam que o conseguirão, porém, eles - Sérgio, como Yustrich, e os seus jogadores - não têm dúvidas, só certezas de alma! Se quisermos ir ao pormenor, poderemos ver no veloz gigante que é Marega um avatar de Jaburú, no artista que é Brahimi o de Hernâni, e em Sérgio Oliveira o de Monteiro da Costa, "quinta essência" da entrega à luta e de orgulho nas cores da camisola. 2 - Um regresso ás origens... de resistência à adversidade e ao desfavorecimento dos poderes instalados. A primeira vida do FCP decorreu, invariavelmente, assim. Mais obstáculos, mais dificuldades, forjaram o seu caráter. Triunfos com a dimensão da utopia, criaram a sua mística. O sumptuoso troféu que o Povo da cidade lhe ofereceu quando, num "match" particular, derrotou o nº 1 do mundo, um Arsenal no apogeu, era já o prenúncio de uma ambição sem limites, que havia de levá-lo ao patamar proibido - o de campeão do mundo de clubes. A segunda vida do FCP começa, (como não poderia deixar de ser), numa revolução libertária, em 1974. A revolução chegou ao futebol, com uma inesperada "viragem a norte" e a marca de Jorge Nuno Pinto da Costa. [44 anos depois, note-se, semelhante rotura está ainda por fazer na política, onde o centralismo, herdado da ditadura, mantém o cerco às atividades económicas, culturais, sociais, fora de Lisboa]. Em liberdade, o FCP pode ser igual, Em igualdade, pode ser superior. Do plano nacional ao internacional. Não era milagre, era organização, modernidade, rigor, liderança... As estruturas organizacionais criavam valores, convertendo jovens desconhecidos, vindos de todo o lado, em estrelas, e apostando em técnicos e treinadores portugueses, que ganharam fama universal - na senda de Artur Jorge e de Mourinho. Dir-se-ia o "toque de Midas"! 3 - A época de ouro teve o seu ocaso numa longa e dura a travessia do deserto de títulos. Em 2017, com o plantel depauperado e um orçamento zero para contratações, por imposição das regras de "fair-play" financeiro, parecia não haver treinador de renome que aceitasse um convite do FCP. E eis que surge em cena um "voluntário", capaz de trocar o certo pelo incerto, disposto a reduzir a metade o valor do contrato que o ligava a um dos grandes de França e pronto para a missão impossível de salvar o Dragão - o seu clube. Sérgio, o resistente, que desde menino soube viver com pouco, conviver com a injustiça e nunca se dar por vencido. Não era, ao que consta, uma primeira escolha, mas foi, sem dúvida muito melhor do que qualquer outra teria sido. À chegada, deixou bem claro que vinha para ensinar, não para aprender. E assim foi. Consigo trouxe, de facto, não só o saber muito de futebol, em termos teóricos e práticos, mas também "a arte de ensinar a arte", de levar cada um a redescobrir-se, na sua capacidade de evolução, não apenas individual, mas como parte de um todo. Não é para qualquer um - é só para génios! Como Mourinho, que, nas primeiras declarações, afirmou que, no ano seguinte, iria fazer do Porto campeão - e fez! - para tal lhe bastando dois reforços do Leiria e um do Setúbal, contratados a custo reduzido, Chamavam-se Derlei, Paulo Ferreira e Nuno Valente, aos quais se juntou o incomparável Ricardo Carvalho, que andava emprestado. Paradigmático, na tradição de Mourinho, o modo como, inteligentemente, conseguiu adaptar as disponibilidades à sua ideia de jogo (ou as táticas às disponibilidades...), como transformou em mais valias, jogadores " descartados" pelos seus diretos predecessores. Recuperação profissional, recuperação humana, numa rota de transcendência, de emoção, que, de imediato, passou às bancadas, e arrastou multidões no movimento imparável para a vitória Assombroso o ensinamento de Sérgio, que vale tanto para avaliar o passado recente, (nomeadamente, a "performance" dos seus antecessores) , como para preparar o futuro, de preferência com ele. Sérgio Conceição foi um jogador que admirei imensamente e um treinador em quem sempre acreditei - o que, em tempos recentes, só com Villas Boas acontecera. No que estava muito bem acompanhada. Antes de ser, nesta segunda veste, entronizado na história do FCP, já ele era o herói do povo. E o povo também jogou neste campeonato!

quinta-feira, 10 de maio de 2018

MÁRIO LAGES

É um privilégio dar a minha singela contribuição para este livro, que é um ponto de encontro das memórias de cada um de nós sobre algumas das histórias passadas com Mário Lages . Um livro que é, assim, uma "viagem de descoberta" de um ser humano admirável, dotado de muitos e variados talentos, alguns inimagináveis! Por isso, cada depoimento pode trazer-nos surpresas, sempre boas, porque há na sua vida uma essencial coerência de ideias e de ações. Homem de causas e, igualmente, de imensa energia e generosidade concreta. Comunicativo, alegre e muito discreto, com o seu fino sentido de humor. Um militante do humanismo no quotidiano, um cristão verdadeiro, de quem, depois de partir do nosso convívio, poderemos, em definitivo, dizer que "passou por esta terra fazendo o bem". Conheci-o há quase 50 anos, na Casa de Portugal da "Cité Universitaire" de Paris. no início do ano académico de 1968/69. Tornou-se, logo, a figura central de um grupo de jovens portugueses, (bolseiros, investigadores em diferentes áreas, quase todos a iniciarem uma primeira experiência de estudos fora do país), graças a um dom natural de convivialidade e ao seu gosto de partilha, que começava na partilha de informações utilíssimas - sobre como lidar com a burocracia local, onde obter livros com descontos para estudantes, onde fazer refeições económicas fora do perímetro da "Cité"...- e continuava na partilha de ideias, de preocupações sociais, de envolvência cívica. Os ventos políticos que agitavam a França e Portugal, embora de origem e direção diversa, convidavam igualmente à participação. Um duplo convite a que dissemos "sim". Resolvemos começar ali mesmo, na Casa de Portugal - com eleições, naturalmente! Uma das regras inovadoras, que maio de 68 tinha imposto na "Cité", era o "droit d' affichage", um passo largo no sentido da co-gestão. No exercício desse direito, sem consulta ou pedido de autorização ao Diretor da Casa (que, nessa altura, pertencia à Fundação Gulbenkian), afixámos a respetiva convocatória, apresentámos listas, realizámos e vencemos o ato eleitoral. Digo "nós", porque estive entre os proponentes, juntamente com Mário Lages e muitos dos que constituiriam o grupo de amigos, que se consolidou a partir daí, e ainda existe. Não me recordo já dos nomes que compunham essa lista, para além do presidente da assembleia de estudantes, o Luís Galvão Teles. O desenlace eleitoral não agradou ao Diretor que o contestou, de imediato, afixando um aviso em que acusava "uma trintena de residentes" de terem desencadeado aquele processo, à margem dos estatutos da instituição. Afinal, pas de droit d' afichage"... O ato eleitoral foi repetido, nós afastámo-nos, de vez, desse campo de ensaio democrático frustrado, não guardando da querela mágoas ou ressentimentos, mas apenas o rótulo de "católicos progressistas" e a vontade de assumir essa pertença. Concentrámo-nos, sem mais, na preparação de combates futuros, pelo debate e reflexão no interior do grupo e, o que não foi menos importante, ao ameno e constante convívio, em que se teceram laços de afecto indestrutíveis. Gostei de saber, agora, há pouco, por acaso, ao conversar sobre Mário Lages, que também ele falava sempre dessa estada na " Cité", como um tempo muito feliz. Qual de nós não diz precisamente o mesmo? Tudo, então, era pretexto para festas e celebrações - os aniversários, por exemplo. Uma trintena de aniversários! Nos tempos livres, visitávamos catedrais e museus, frequentávamos cinemas, livrarias, cafés, discorríamos sobre mil e um assuntos, infindavelmente! E, assim, neste ambiente de tertúlia e de reflexão crítica, se construiu uma comunidade coesa, em terra estrangeira, como tantas outras em que os expatriados recriam um espaço nacional, sem rejeição do que o circunda - emigrantes "temporários", com uma situação bem diferente da maioria dos trabalhadores portugueses que, em massa, estavam a demandar os subúrbios Paris, mas nem por isso inibidos de exprimir, do mesmo modo, a solidariedade entre pessoas na adaptação a um mundo novo. Compartilhávamos valores, saberes, lazer, como uma grande família no interior de um lugar pequeno - como numa aldeia portuguesa em que todos são parentes, para não dizer "como numa república de Coimbra", (só porque acho que nos faltava completamente o toque boémio). Nem boémios, nem "enragés", embora acreditássemos nas profundas transformações sociais e políticas que teriam de acontecer - com as nossas diferenças, mas sem conflitos, nem cisões, entre iguais, mas com uma liderança espontânea, não imposta, não declarada e nem sequer assumida, e, nem por isso, menos decisiva. Responsável, em primeira linha, pela harmonia reinante foi a personalidade de Mário Lages. Disponibilidade constante, simpatia, e bom senso, conselho dado de um modo simples e direto, faziam dele um involuntário, mas autêntico, "primus inter pares". Sensível aos problemas de cada um, com a perfeita compreensão das pessoas e das situações. Um Homem de Ciência, ou melhor, no plural, de ciências - teologia, sociologia, etnografia... - . já com um brilhante doutoramento em Roma e outro em curso, ali, em Paris. Um Homem voltado para as Artes, a escrita, a música (cantava, tocava órgão e outros instrumentos), a fotografia. Um amador de todas estas e de outras Artes, exímio em tudo o que empreendia, facilmente superando os melhores profissionais. Um exemplo: foi ele quem, na altura, fotografou as telas de Nadir Afonso para uma sumptuosa edição das suas obras. Nadir, outra inesquecível personagem da Casa de Portugal, em fins da década da década mítica de sessenta! Um génio da pintura, com um esfuziante sentido de humor, faceta que o terá aproximado de Mário Lages. Um caso de admiração mútua! Pena foi eu não ter gravado alguns dos divertidíssimos momentos que passei a ouvi-los... Com Nadir não tínhamos contacto diário, tal como com outros amigos que moravam fora da "Cité", mas nos faziam visitas muito apreciadas e se integravam perfeitamente no nosso círculo de conversação, como o Padre Januário Torgal Ferreira (trazido pelo Mário) ou o Alfredo de Sousa, compadre da Eduarda Cruzeiro. Ainda sobre o tema fotografia, devo acrescentar que Mário Lages não se limitava a tirar retratos com uma máquina "topo de gama", pois se comprazia a completar o ciclo criativo, revelando as suas próprias fotos, num pequeno laboratório de uma das residências bem perto da nossa - não me lembro exatamente qual (a da Suiça, suponho). Sempre pronto a ensinar, convidou-nos para uma espécie de aulas práticas e logo viu crescer o número de discípulos aplicados, entre os quais me contava. Nos meus álbuns ainda hoje conservo algumas dessas fotos, em muito bom estado de conservação, sinal da competência do mestre. Outro terreno em que se distinguiu: o automobilismo, condução, corridas! Ao volante transformava-se por completo, como pudemos testemunhar depois que comprou um Austin mini. O tranquilo e erudito professor que media as palavras e não era dado a qualquer tipo de radicalismo, abria aqui uma exceção e fazia autênticos ralis, por entre as filas de trânsito parisiense, onde vale (quase) tudo, inclusive ultrapassar pela esquerda e pela direita. Ninguém o conseguia seguir! Era normal tomar a dianteira e desaparecer lá à frente, num ápice. Por isso, nos passeios dominicais, em excursão de várias viaturas, traçávamos um plano prévio, com, paragens e destino final pré- definidos. E uma vez em que não o fizemos, em viagem para Portugal, no verão de 1969, perdemo-lo praticamente à saída da "Cité" , no "péripherique", para nunca mais o vermos . Ia eu no Volkswagen da Eduarda Cruzeiro, (por acaso, também excelente condutora, mas não tanto) e ela, quase até chegar à fronteira portuguesa, insistia em almoçarmos em esplanadas junto à estrada, na esperança de o reencontrar, com o seu "equipa". Esperança vã. Um episódio que mostra bem como a vida era diferente, sem telemóvel... Aliás, as peripécias com o famoso "mini" começaram cedo, na "rodagem", completada numa ida e volta a Amsterdão (1000 km de boa estrada plana). Chegado à chamada Veneza do norte, com dois ou três colegas, decidiu estacionar junto ao primeiro canal que lhes oferecia uma vista pitoresca e aparentemente singular. Daí, seguiram todos a pé para o centro, onde jantaram. Pelo caminho, atravessaram pontes, trechos parecidos, mas isso não os preocupou. O problema surgiu, na hora de localizar o "mini", numa densa rede de canais, excessivamente semelhantes na sua beleza pitoresca. Foram horas de deambulação... Depois, em Paris, uma vez por outra, à noite, quando a visibilidade o permitia, passava sinais vermelhos - o que os franceses designam, aliás benignamente, por "bruler les rouges". Era rápido e ágil na argumentação e na condução automóvel, como no desporto, que praticávamos, quando as condições meteorológicas deixavam, nos campos de jogos situados convenientemente em frente à Casa de Portugal. Os relvados que a separam da vizinha Casa do Brasil eram um espaço tranquilo, onde descansávamos dos exercícios atléticos, ou, onde, em dias de sol, nos sentávamos à conversa, após tomarmos um cafezinho brasileiro. Mas café ótimo, delicioso, era o que Mário nos oferecia, vezes sem conta. Café arménio, que ele sabia preparar a preceito, numa cafeteira própria, de metal, com uma base larga, remexendo o pó na água fervente. Como eu era a maior apreciadora dessa bebida exótica (em que o líquido se mistura com o pó, quando não o deixamos assentar), deu -me uma cafeteira igualzinha à sua, que eu guardo, como boa lembrança de animadíssimas discussões "à volta de uma chávena de café", muito embora não saiba usá-la. Aquele café oriental era uma raridade, sem dúvida, e, sobretudo, constituia mais uma evidência de como o nosso Amigo passava dos estudos arménios ao relacionamento fraterno com pessoas concretas e adotava, prontamente, os seus costumes. Tinha colegas arménios, de quem falava com entusiasmo, do mesmo modo que nos relatava avanços na investigação académica. A típica cafeteira não seria o único presente que dele recebi. Os outros foram livros, todos muito mais utilizados: " Le Nouveau Testament", traduzido para o francês, sob a direção da Escola Bíblica de Jerusalém (na sequência de muitas conversas sobre religião - no meu caso, então, realmente, em busca de respostas para uma crise de fé...), um álbum de arte africana, "um pocket book" de PG Wodehouse, por sinal um dos mais hilariantes da série de Blandings Castle (PG tornar-se-ia o meu autor favorito!) e, por fim, o seu ensaio etnológico sobre "Vida/Morte e Diafania do Mundo na História da Carochinha", que é de leitura obrigatória, absolutamente fascinante, tanto do ponto de vista científico como literário. Livros que abrem horizontes - uma das suas grandes missões de vida... São tantas e tão boas recordações! Hoje também já o é a única que podia não o ter sido: um 14 de julho, que comemorávamos pacificamente numa esplanada do "Quartier Latin", De repente, sem razão aparente, eis que irrompe a polícia no alto da rua, que era íngreme e estreita, varrendo os turistas à bastonada! Logo se formou um tropel de criaturas vindas de os lados, ruela abaixo... Ficámos irremediavelmente separados uns dos outros. A Eduarda e eu, por sorte, "integrámos o pelotão da frente" e, ao virar de uma esquina, entrámos por um portão, que estava oportunamente aberto, e fomos recolhidas, com palavras amáveis dos donos da casa (pareciam gente muito habituada a recolher passantes em fuga). Com eles, do alto de uma janela, assistimos à cena de inusitada violência de que foram vítimas alguns dos nossos queridos compatriotas, entre eles, o Mário. Um susto enorme, que se saldou, do mal, o menos, apenas nuns "galos" na cabeça de respeitáveis cidadãos. Foi o mais próximo que estivemos de uma das "bagarres" do pós Maio 68, numa França ainda não recomposta de múltiplas formas de sobressalto. Regressados a Portugal, tentámos lutar contra a dispersão na geografia lisboeta, continuámos a reunir, com frequência, por alguns anos. Contudo, no meu caso, (como no de outros), as ocupações, as ausências constantes de Lisboa, do país, levaram-me a perder a ligação assídua com "o grupo de Paris", durante mais de três décadas, até à data da homenagem prestada a Mário Lages, na Universidade Católica, aquando da sua jubilação, seguida de um jantar informal, num restaurante em que reencontrei a Luísa e o António Marques de Carvalho e conheci a Ana Costa Lopes (rimos tanto, que me parecia estar de volta a Paris, à "Cité", à nossa cidade dentro da cidade!). Recomecei a participar em convívios, já não de uma "trintena", mas de uma dezena de bons amigos. Reatámos o diálogo, à volta do Mário, como nos velhos tempos, como se não tivesse havido hiatos. Com o mesmo contentamento, a mesma espontaneidade. Acho que só não esculpimos um boneco de neve e não arremessamos bolas de neve uns aos outros, porque nos faltava a matéria-prima. Tão iguais ao que fomos, apesar dos cabelos brancos! Os verdadeiros amigos têm, afinal, sempre, a idade com que os conhecemos. E, para nós, nunca morrem Maria Manuela Aguiar

segunda-feira, 30 de abril de 2018

O NOSSO CÔNSUL EM MELBOURNE

O Doutor Carlos Pereira de Lemos recebeu, no início deste ano de 2018, a "Ordem da Austrália", país onde se fixou há muitas décadas. É uma honraria que o Governo aí concede a muito poucas individualidades, através de um processo exemplarmente democrático. Qualquer cidadão pode propor a atribuição de uma condecoração, dirigindo o pedido ao "Conselho da Ordem". O processo de apreciação é sempre muito rigoroso e, em regra, longo (mais de um ano ou um ano e meio...). O parecer é dado, após analise detalhada e ponderação do merecimento do curriculum e da conduta ética do candidato, ao longo da vida . A decisão final cabe ao Governo, sem a intervenção do Chefe de Estado, que apenas pode ser proponente, como um cidadão comum, embora as suas propostas tenham prioridade de avaliação sobre as demais. A prestigiada "Ordem da Austrália", concedida em diversos graus, é a única, ao contrário do que acontece em Portugal, por toda a Europa e em outros continentes.O Doutor Lemos foi condecorado no grau correspondente a "serviços meritórios". Assim, se juntou a sua Mulher, a Doutora Molly de Lemos, que,também, foi distinguida, no grau equivalente a "serviços excecionais", como pedagoga e investigadora, com larga e valiosa bibliografia publicada. Não sei se em toda a Austrália haverá um outro caso, em que marido e mulher, ambos imigrantes, sejam membros da Ordem e da associação a que podem pertencer, exclusivamente, as personalidades a quem foi outorgada!.A este ilustre Português, nascido no Minho há 92 anos, já tinha sido atribuída a "Ordem de Mérito" de Portugal,que lhe foi entregue, em 2002, pelo Presidente Sampaio e a "Ordem de Timor", recebida em 2015, em Dili, onde passou duas semanas, na companhia de sua Mulher, a convite do Presidente Alkatiri, de cujas mãos recebeu a comenda. (Timor, terra de recordações felizes, dos seus primeiros anos de casados!).A meu ver, é especialmente significativo este reconhecimento plural dos Estados, aos quais deu não só a qualidade do trabalho profissional, como do contributo cívico, e até, também, o afeto, graças ao qual tão bem soube aproximar, fraternalmente, pela ação concreta, os Povos dos três países. Quem realiza grandes feitos, nem sempre é tão consensual... Qual foi o segredo que lhe permitiu escapar ao vulgar sentimento da inveja, a rivalidades e quezílias? Porventura, a força da sua simplicidade e simpatia, os gestos constantes de solidariedade, o sentido inato do que é certo e justo, que já revelava na infância, e que lhe permitiu envolver-se em empreendimentos que tão bons foram para os outros como para si próprio... Um dos maiores terá sido, creio, o audacioso projeto, que leva a sua marca, de princípio a fim: erigir um monumento aos nossos navegadores dos mares do Sul, em Wallongong, onde os portugueses deixaram o rasto das suas caravelas 250 anos antes de Cook ,que (ainda) está na história oficial como o descobridor da Austrália. O monumento é, para os portugueses, lugar de culto( e aí realizam o seu maior festival) e, para todos, um polo de turismo cultural. O nome do Dr Lemos foi, em mais uma merecida homenagem, dado a uma das ruas do centro da cidade! . Quando, há quase quatro décadas, conheci o Doutor Carlos de Lemos, em Melbourne, já ele tinha um notável curriculum académico e profissional, era o líder das nossas comunidades, e, defendia, por igual, os direitos dos portugueses e dos timorenses que, então, em massa, procuravam refúgio em terras australianas. Pouco depois, seria nomeado cônsul honorário de Portugal em Melbourne, e, até hoje, tem desempenhado a sua missão com um tal brilho e eficácia, que levou o Secretário de Estado José Luís Carneiro, a distingui-lo, há dias, na reunião mundial dos cônsules honorários de Portugal, como um verdadeiro "primus inter pares". E a declarar, publicamente, em 20 de abril, no encerramento do colóquio de Monção, que uma das razões determinantes da sua presença era a de prestar homenagem à obra deste admirável compatriota, ali, em Monção, terra de onde partiu, de comboio, para a primeira das inúmeras viagens que o levariam a cumprir o destino extraordinário, que se lê na sua autobiografia como um romance, porém verídico! Para mim, como certamente para a generalidade dos leitores, é um relato fascinante que não para de nos encantar e surpreender. De facto, apesar de uma amizade de longa data, as nossas conversas centravam-se, sobretudo, nas migrações, na história, na política nacional e internacional, e nunca tínhamos falado dos tempos de infância ou juventude. Tomei por certo que tão fino e culto diplomata teria nascido numa das antigas mansões minhotas e frequentado os melhores colégios. A autobiografia, (que tive o privilégio de ler, antes mesmo de publicada, e de prefaciar), constituiu um "choque de realidade". Um espanto! Como conseguiu um menino de 10 ou 12 anos, entregue a si próprio, sem o suporte da família, com a escolaridade mínima, ir em frente, tão longe e tão alto? A chave do segredo, como disse, estará na sua inata sociabilidade, num querer muito forte, guiado por valores, na sua maneira de "estar na vida", com inteligência, amabilidade e elegância . O que "fez correr" o jovem Carlos Lemos não foi a procura da "árvore das patacas", mas a curiosidade intelectual, o gosto de descobrir terras, gentes, costumes diferentes. O menino de uma aldeia perdida na serra, assim se tornou português cosmopolita, que se relacionou e conviveu, na intimidade, com algumas das personalidades que revolucionaram o panorama cultural e político do século XX no mundo. Em Monção, a sua história de vida foi lançada numa modalidade que julgo inédita e a repetir: uma entrevista coletiva pelos alunos das escolas da cidade!. Um vivíssimo diálogo de gerações constituiu momento especialmente emotivo na programação de um colóquio, em que se destacavam grandes individualidades da emigração minhota e monçanense, todos nomes do passado, à exceção do Dr Carlos de Lemos, que estava ali, face a face, com meninos e jovens, exatamente da idade que que ele tinha nos primeiros capítulos do livro...Disposto a dar os pormenores e explicações que lhe pedissem, e a revelar como foi possível cumprir sonhos que pareciam impossíveis . Um curso profissional de topografia foi o seu passaporte para ultrapassar todas as fronteiras, todos os mares... A aventura ia ganhando a dimensão do seu espírito sempre aberto, em novos patamares de formação académica, de conhecimentos e de amizades, que soube colocar, (na nossa melhor tradição), ao serviço da expansão da presença de Portugal Que espantosa lição lhes deu, a motiva-los a viver a vida, com esperança, com cordialidade e alegria, ultrapassando todas as metas, sem nunca deixar os outros de lado, ou para trás. O Dr Lemos, tal como Barack Obama, veio dizer-nos: "Yes. you can". E não basta conseguir. é preciso que a correção dos meios seja posta ao serviço da grandeza dos fins

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Visita ao CANADÁ PORTUGUÊS 1 - Em fins de março, passei três dias no Québec, com um intenso programa cultural, a convite de dois jornalistas, que são meus amigos há quase 40 anos - a beirã Adelaide Vilela, que, em matéria de "media", toca todos os instrumentos, incluindo rádio e televisão, e o açoriano Norberto Aguiar, diretor do jornal Lusopresse. Adelaide apresentou os seus dois últimos livros (um dos quais tive o gosto de prefaciar), de uma forma original, num jantar com 200 convivas, no salão de uma das várias centenas de associações, que na América do Norte, são dedicadas ao Divino Espírito Santo, o mais português dos cultos religiosos, que se deve a Isabel de Aragão - a nossa Rainha Santa Isabel, paladina do fraternalismo cristão, de uma igreja espiritualista, voltada para os mais pobres, despojada de pompas e poder material, como atualmente a quer o Papa Francisco. (O culto do Espírito Santo, que Portugal levou a todo o universo da lusofonia, sobrevive, hoje, sobretudo, nos Açores, nas comunidades da sua emigração, e, também, em antigos povoados do Brasil, como Parati ou Alcântara, embora com lamentável ignorância da sua raíz portuguesa.). A grande festa de Adelaide, teve, entre múltiplos méritos, o de envolver muitos jovens, nascidos no Canadá, que entre música, felicitações e mensagens dos mais velhos, leram (e que bem!), algumas poesias e trechos da sua prosa. Um excelente meio de estimular a aprendizagem da língua, uma das causas maiores desta "mulher de armas", em luta constante pela expansão da nossa cultura. No dia seguinte, o jornal Lusopresse, organizou, pela 18º vez consecutiva, o seu "Dia da Mulher", com uma homenagem especial a Maria Barroso, que dez anos antes, na presença da Ministra da Imigração e outras figuras da política canadiana, numa sala cheia de portugueses, fora a principal protagonista de idêntica cerimónia, em que tive a sorte de a poder acompanhar. 2- Nas nossas comunidades, as comemorações de uma efeméride, ultrapassam, frequentemente o dia do calendário. Assim, por exemplo, o Dia de Portugal pode estender-se por uma semana de variados eventos, (festivais de música, paradas, jogos, exposições, conferências...), ao longo do mês de junho. O mesmo se diga do Dia Internacional da Mulher, que não se limita ao 8 de março. Se não coincidir com o fim de semana, é logo transferido para um sábado ou domingo. E qualquer sábado ou domingo do mês guardam o simbolismo da data! São dois exemplos, neste aspeto semelhantes, mas muito distintos, no que respeita à generalização e dimensão das realizações em que se traduzem. O dia nacional é celebrado pela Diáspora, universalmento, com um entusiasmo e uma paixão, que não têm paralelo dentro do país, onde, para além de atos oficiais, é visto como um simples feriado para ir ao "shopping", ou à praia, se o tempo estiver de feição. O Dia da mulher, em comunidades do estrangeiro, (regra geral, ainda menos sensíveis às questões de género do que as comunidades do território), é quase completamente ignorado. A mais antiga e notável exceção, de que tenho conhecimento, - em assunto que dificilmente escaparia ao meu conhecimento, em perto de quatro décadas de convívio com emigrantes - é a levada a cabo pelo "Lusopresse". Em 2018, ainda se contam pelos dedos das mãos, e são, maioritariamente, promovidas por associações femininas, as iniciativas que vão surgindo... Nas 18 jornadas que o Lusopresse dedicou à Mulher, o enfoque tem sido colocado em diversos domínios ou temáticas. Este último. em que fui oradora, num painel que partilhei com portuguesas muito jovens, questionava o poder das mulheres. Como definir o "poder" ? Pergunta com mil e uma respostas possíveis. Eu falei, sobretudo da resposta que Maria Barroso deu com o seu percurso na vida - o "poder" ao serviço da dignidade das pessoas, de uma cultura de paz e fraternidade, o poder que se pode exercer no palco do teatro, na escrita, numa sala de aulas, no terreno da política, ou do puro voluntariado.... 3 - Há muitos anos que não faço excursões de férias (para férias há o mar de Espinho!), e prefiro investir em viagens ao estrangeiro, já não para ver paisagens novas, mas para reencontrar velhas amizades. E para manifestar apreço e reconhecimento a pessoas e instituições que oferecem ao País existência nas "sete partidas do mundo". Entre elas, jornais e jornalistas têm papel insubstituível,e, desta vez, foram eles a motivação para cruzar o oceano, em muitas horas de voo!. A imprensa da emigração é, em tudo, semelhantes à imprensa regional, aos jornais de cada terra, na medida em que começam por ser parte da construção da sua identidade, e acabam por a retratar, guardando memórias, fazendo a história. Isto é tanto mais verdade, quanto melhor for a sua qualidade (que não falta quer ao "Lusopresse" do lado de lá do Atlântico, quer à "Defesa de Espinho", do lado de cá). Todavia, mesmo os congéneres mais modestos, os que enchem páginas com meras transcrições das agências noticiosas e fotos das festas comunitárias, são mais importantes do que nos pode parecer, pois até o que é pura cópia, pode vir a torna-se informação útil sobre interesses, prioridades, mentalidades, e tudo o mais é registo inédito para a posteridade... Assim foi, e assim julgo que continuará a ser, na era na internet. Uma comunidade da Diáspora, como uma terra portuguesa, sem a sua imprensa (de preferência em papel....), não tem passado nem futuro, só o presente, a morrer em cada dia. que finda

terça-feira, 10 de abril de 2018

PROGRAMA EVENTO MULHER MIGRANTE - MEMÓRIA COMO HERANÇA - Local: Câmara Municipal de Mineola, NY 20 de Janeiro 2018 Abertura: Paulo Pereira: Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mineola Cônsul-Geral Manuela Bairos: apresentação do programa e Boas Vindas à convidada de honra, Dra Manuela Aguiar, Presidente da Associação da Mulher Migrante 10.00 – 11.30 A língua Portuguesa como Herança Tema para reflexão: o papel da língua portuguesa como suporte e transmissor da identidade e da herança portuguesa junto das comunidades portuguesas e em particular o papel das escolas comunitárias e das famílias na preservação desta herança. Participação: todos os diretores/conselhos diretivos, professores ou pais/encarregados de educação nas Escolas Portuguesas do Estado de Nova Iorque Partilha de experiências e de sugestões sobre as expetativas de futuro para o ensino da língua portuguesa junto das novas gerações. Projecto de Memória - entrevista dos alunos aos avós sobre as suas histórias de emigração Moderador: Dr José Carlos Adão Coordenador-Adjunto de Ensino - Dr José Carlos Adão “língua portuguesa como língua de herança” As escolas comunitárias como suporte da herança portuguesa e da identidade luso-americana Cônsul-Geral Manuela Bairos Projecto escolar: entrevista dos alunos aos avós sobre as suas histórias de emigração Período de interação com professores e diretores das Escolas comunitárias Presidente da Mulher Migrante, Dra Manuela Aguiar O papel da comunidade (dos professores e alunos e das famílias) na defesa do património da língua de herança e da cultura portuguesa. 11.30 – 12.45 A Culinária portuguesa como Herança Tema para reflexão: Papel da culinária portuguesa como afirmação da identidade e cultura portuguesa. Partilha de experiências sobre sucesso de culinária portuguesa como instrumento de afirmação da nossa cultura: restaurantes, pastelarias, clubes, catering de comida portuguesa Projeto de memória: recolha de receitas portuguesas que tenham sido transpostas para os restaurantes, clubes e lares portugueses, incluindo aquelas que se tenham afirmado no país de acolhimento (Leitão da Bairrada, crepes de Aveiro, bacalhau, bitoque, pão de ló, alcatra açoriana, pastel de nata, malassadas, o pão português, etc). Partilha de testemunhos: Manny Carvalho (Bairrada Restaurant – Leitão da Bairrada), Anthony Gonçalves (Kanopi Rest White Plains – Nova Cozinha Portuguesa), Monica Oliveira (doces de Aveiro), Fernando Viegas (Academia do Bacalhau - Bacalhau). Todos os participantes são convidados a trazer uma receita que a família tenha trazido de Portugal e que seja importante para a preservação da sua memória familiar de origem. Objetivo: executar um livro com estas “receitas com memória” 13.00 – 14.00 ALMOÇO (almoço buffet ligeiro oferecido, terá lugar no local do encontro. Câmara Municipal de Mineola) (TARDE) Observação prévia A reflexão a realizar nestes quatro painéis em torno do tema "Identidade Luso-Americana como Herança Portuguesa", terá também em vista identificar a eventual existência de especificidades de género na afirmação da identidade de origem portuguesa, na afirmação profissional, no associativismo ou na participação cívica e política entre a nossa comunidade imigrante. Em certos momentos, será estimulada a consciencialização sobre o papel das famílias, dos pais e dos avós na preservação e passagem dessa memória cultural e identitária às novas gerações, sem perder de vista a questão do género que ainda parece pertinente numa comunidade tradicional com tarefas e papeis diferenciados dentro das famílias. Identidade Luso-Americana como Herança Portuguesa Convidada de Honra: Dra Manuela Aguiar Apresentação da convidada de honra e do programa da tarde pela Cônsul-Geral 14.30 – 15.00 - Intervenção de abertura pela convidada de honra, Dra Manuela Aguiar 15.00 – 15.45 Identidade de origem portuguesa Moderador: Paulo Pereira Tema para reflexão: o que significa ser americano de origem portuguesa numa perspetiva de identidade pessoal, de afirmação profissional e de pertença a uma comunidade de origem portuguesa. Como é encarada essa identidade nos meios americanos e como que ideai tem os americanos de outras comunidades sobre Portugal e sobre os Portugueses. Partilha de testemunhos de pessoas bem integradas nos meios americanos, designadamente já nascidas nos Estados Unidos. Todos serão convidados a dar o seu testemunho, em língua inglesa se essa for a sua preferência. Testemunhos: Palmira S Cataliotti, Ana Rodrigues, Marco Silva 16.00 – 16.45 Participação cívica e associativismo Tema para reflexão: associativismo e participação cívica nas Comunidade Portuguesas: o papel do associativismo na formação da consciência e identidade portuguesa, na preservação das tradições portuguesas (língua portuguesa, música/Fado, ranchos folclóricos, filarmónicas, futebol, culinária, artesanato, música e celebração dos eventos maiores da cultura e tradição portuguesa) Reflexão sobre a evolução futura dos clubes portugueses na passagem do testemunho para as novas gerações. Expetativas sobre o papel de Portugal designadamente através dos Consulados em apoio às atividades dos Clubes. Testemunhos iniciais: Agostinho Saraiva (Ossining); Bruno Machado (líder associativo e conselheiro das comunidades portuguesas); Silvia Curado (PAPS), Convidados especiais: todos os presidentes e ex-presidentes de clubes portugueses, ou membros de direção ou indivíduos que se tenham empenhado ainda que de forma mais informal em promover o associativismo e a participação cívica junto das comunidades portuguesas. Em particular o papel das mulheres na liderança de Clubes Portugueses (Isabel Melo, Amélia Gonçalves-Jamaica, Ilda Fontoura- Jamaica, Anália Beato- New Rochelle, Cristina Santos-Yonkers, Bela Ferreira-Tarrytown, Maria Carvalho-Tarrytown, (alguns convites aguardam confirmação) 17.00 – 17.45 Afirmação profissional Tema para reflexão: dificuldades ou vantagens encontradas no percurso de um luso-americano desde a sua formação escolar e académica até à sua afirmação nos meios profissionais Recomendações para os novos emigrantes, para as novas gerações Moderadora: Dra Manuela Aguiar Testemunhos de todos quantos desejem partilhar a sua experiência Testemunhos iniciais: Laurinda Ferreira, Tony Castro, Marlene Lobato (tbc), Adelino Pastilha 18.00 – 18.45 Participação na vida pública e política Tema para reflexão: como surgiu a opção pela vida pública ou política (família, escola, mentores, etc)? O que isso significou para quem tem origens estrangeiras ainda recentes? Importância destas opções para a comunidade portuguesa e como “role models” para a juventude; como partir de um background português e procurar apoio noutras comunidades étnicas, que desafios, dificuldades e oportunidades?; Recomendações sobre sensibilização das nossas comunidades para serem cada vez mais ativas na participação na vida pública e política, através do voto e forma de apoio a candidatos luso-americanos Moderadora: Dra Maria João Ávila Testemunhos: Rosa Rebimbas; Paulo Pereira; Maria Araujo Khan ; Jack Martins; Janice Duarte JANTAR 19.00 Jantar no Mineola Portuguese Center