quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

FCP: onde começou a derrota

Bom , é claro que a derrota começou no 1º golo sofrido. E não foi apenas um golo sofrido pelo puro mérito do adversário, foi um chamado "frango" na gíria do futebol. Curioso que tantas explicações elaboradas se avancem para explicar o desastre e não haja um só comentador (dos muitos que ouvi em todos os canais de tv, embora, claro, algum me possa ter escapado); o erro maior de Sérgio Conceição foi ter substituído na baliza o melhor guarda - redes, que é obviamente Iker Casillas. Nenhuma equipa consegue competir a alto nível sem um guarda redes de classe. Gosto muito do Sérgio, e simpatizo com o jovem que ele insiste em testar na baliza. Na competição caseira, a inexperiência não é assim tão evidente. Na "champions é o que se vê. O que aparentemente ninguém quer ver...

domingo, 4 de fevereiro de 2018

RECENTRAR O PSD 1 - A democracia portuguesa fez-se, no pós 25 de abril, com a criação de partidos, que procuraram o máximo de distância em relação ao regime deposto de ultra-direita: o PSD de Sá Carneiro solicitou a adesão à Internacional Socialista, que não conseguiu por oposição do PS ; o CDS, antes de se tornar PP, considerava-se "rigorosamente ao centro"; o PS, no "slogan" dos comícios e das marchas cívicas, proclamava-se como "partido socialista, partido marxista". Ao longo dos anos seguintes, o marxismo do PS, o esquerdismo do PSD e o centrismo do CDS foram-se diluindo, numa progressiva conformação à realidade sociológica dos respetivos eleitorados, enquanto o PCP permanecia bastante igual ao que era nos primórdios da revolução. Comum a todos era, porém, a existência de tendências ou alas, umas mais visíveis e ativas do que outras (em alguns casos levando à dissidência). Na verdade, podíamos dizer que a esquerda do CDS confinava com a direita do PSD e a esquerda do PSD com a direita do PS... Divergindo, embora, numa pluralidade de domínios, estes três partidos partilhavam a crença na democracia representativa, e na pertença à CEE e à Aliança Atlântica. Não por acaso, é nesta última área que o atual governo do PS, apoiado numa esquerda anti-europeísta e anti-NATO, tem encontrado maiores dificuldades - das quais se fala pouco, porque nem os "media" nem a opinião pública nacionais lhes não dão a devida relevância. A esta maioria encontrada no parlamento não falta, pois, legitimidade, nem boa articulação institucional, em particular com o Presidente da República e, também, a nível da política interna da UE, E nem sequer lhe falta aceitação popular. O seu "calcanhar de Aquiles" é, a meu ver, a impossível concordância em matérias fundamentais de política europeia e internacional, sobretudo no que respeita aos compromissos europeus e atlânticos de segurança e defesa. Eis o que não lhe augura um grande futuro para além de 2019, embora seja justo realçar que com a sua existência se abriu, em Portugal, o leque das alternativas plurais, à esquerda e à direita. 2 - Os partidos podem e devem evoluir, procurar novos projetos e relações interpartidárias, novos intérpretes das suas doutrinas. Não devem é romper com princípios fundamentais, ultrapassando o ponto fatal da descaraterização e perda sua identidade. O PSD do passado recente estava, na minha ótica, em cima de linha de fronteira, se é que a não tinha já ultrapassado. Penso na sua governação, nas políticas de austeridade, (impostas de fora, mas só até certo ponto) que atingiram, em particular, jovens forçados a emigrar em massa, reformados, funcionários públicos e trabalhadores por conta de outrem, pauperizando as "classes médias" e os mais desfavorecidos. Políticas que só não foram bastante mais longe porque o Tribunal Constitucional o não permitiu...Tivesse esse PSD formado governo, de 2015 em diante, e os mesmos continuariam, previsivelmente, a pagar a parte de leão do preço da austeridade - em primeira linha, os pensionistas (a "peste grisalha".na expressão sintomática de um jovem militante deste PSD). Fora do campo económico, discurso não menos extremista - contra cidadãos portugueses de etnia cigana - foi impunemente permitido a candidatos autárquicos, a par de tomadas de posição da bancada parlamentar contra o alargamento dos direitos dos estrangeiros, nomeadamente em matéria de nacionalidade. Impossível, no passado, com Sá Carneiro, com Mota Pinto, com Balsemão e, no futuro, (assim o espero), com Rui Rio! O "passismo", ou, pelo menos a sua facção mais radical, parece-me mais próximo" do "Tea-party" do que da CDU de Angela Merkel! Nada tinha a ver tinha comigo, que nunca escondi afinidades com o PSD sueco ou alemão ou com os Liberais do Canadá e dos EUA.... 3 - Todavia o deslizamento direitista no PSD começou muito antes do advento do "passismo", acentuando-se com a ascensão ao poder dos líderes da "Nova Esperança", primeiro no partido, em fins do século XX, e, seguidamente, no governo. A "Nova Esperança", relembro, surgiu na meia década de oitenta para combater Mota Pinto e o chamado Governo do "Bloco Central". Os seus nomes mais sonantes eram (os então mais jovens e mais aguerridos) Santana Lopes, Marcelo Rebelo de Sousa e Durão Barroso. Com Marcelo, o PSD abandonou a Internacional Liberal e Reformista, a que pertencia desde o tempo de Sá Carneiro, e aderiu ao PPE, onde hoje coexiste com o CDS. Com Barroso envolveu-se na trama da guerra do Iraque e com Santana num governo de má memória. A questão do Bloco Central foi agora, por sinal, uma das que maia visivelmente separou Rui Rio de Santana Lopes. Outras razões havia, mas esta bastava para decidir o meu voto a favor de Rio. Acredito que ele tornará viável o diálogo interpartidário para as tão faladas e sempre adiadas "reformas estruturais, quer o governo seja PSD, quer seja PS. Diálogo sem complexos, sem excluir, eventualmente, outros parceiros, à esquerda ou à direita. O presidente eleito do PSD vai, com certeza, recentrar o partido, (onde passarei a reconhecer-me, como dantes!). E vai, muito provavelmente, contribuir para recentrar toda a vida política portuguesa

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

ACADEMIA DO BACALHAU DO PORTO MENSAGEM




A cada uma das cinquenta e seis Academias do Bacalhau existentes, em Portugal e na Diáspora, o grande desafio que hoje se coloca é o saberem viver o projeto coletivo, com inteira autonomia e individualidade. Viver a essência do projeto, à sua maneira, em gestos de amizade e de solidariedade!
 Ao olhar o conjunto, o movimento global, neste ano de 2018, julgo que poderemos reclamar para a Academia do Porto um papel de primeiro plano, pelo pioneirismo de tantas iniciativas, através das quais pretende fazer "história do futuro". Exemplo dessa criatividade, e um dos mais significativos, é a reedição deste esplêndido acervo de feitos e memórias da Academia de Bacalhau do Porto, que transcende o seu âmbito geográfico, para a situar no percurso das Academias, desde a sua origem no sul de África à implantação progressiva no espaço da lusofonia. É uma reedição que, note-se, marca um momento muito especial e é posta ao serviço de uma estratégia de expansão das Academias nas diversas latitudes.
De facto, a segunda edição não só acrescenta novas páginas de crónicas e de imagens, de testemunhos e reflexões, como tem já assegurados os canais de uma  distribuição ampla, no país e no estrangeiro, pela via de colaborações institucionais, com o escopo de divulgar a sua mensagem, as suas causas, convertendo-se num convite à adesão de todos quantos acreditem nos valores da amizade e do "bem fazer",  perpetuados no alegre ambiente de verdadeiras tertúlias portuguesas. Pode, assim, ser considerada o primeiro ato das comemorações do 30.º aniversário da Academia do Porto, que terão o ponto alto no congresso mundial de 2019, a realizar na "cidade invicta", por decisão justíssima e unânime da última reunião magna. 
Tal escolha é, sem dúvida, o  reconhecimento do trabalho da instituição portuense, na pessoa do Presidente César Gomes de Pina, a quem se deve o seu ressurgimento, com uma extraordinária dinâmica, na incessante procura de novos modos de conciliar tradição e modernidade, regras e "praxis", em ambiciosas propostas e realizações, no plano da cultura e da ação social.
O nosso Amigo e Compadre César de Pina tem tido o ensejo e a vontade de se dedicar à presidência associativa "a tempo inteiro" e com uma energia infinita! Esta publicação, obra nascida do seu sonho, é mais uma prova concludente de enorme dedicação e liderança. Segue-se o 49.º Congresso, que vai  organizar com a mesma capacidade de entusiasmo e de trabalho. 
O Porto, transformado agora em destino turístico de excelência, e, desde sempre, terra de incomparável hospitalidade, receberá de braços abertos a comunidade das Academias do Bacalhau! E no topo da agenda estará, com certeza, a abertura à expansão do movimento, para unir mais e mais Portuguesas e Portugueses das várias gerações, em todo o universo lusíada, no espírito e nos ritos festivos da cultura da Amizade.
Para as Comadres e Compadres, que corporizam esse espírito, um afetuoso abraço

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

ESPINHO E OS SEUS CONTRASTES




1 - Se perguntássemos aos Espinhenses o que de bom e menos bom hoje apontam à sua cidade, teríamos, por certo, as mais variadas respostas. com algumas constantes...
Não vou hoje, aqui, fazer uma espécie de balanço - limitar-me-ei a referir dois casos, um pela positiva e outro pela negativa. Dois, escolhidos simplesmente como utilizadora frequente de serviços. O meu "topo e fundo", de fim de ano.   

2 - No fundo, a falta de cinema.
 Não de salas, porque temos três e todas excelentes, mas de espetáculos regulares. Imperdoável em Espinho, uma das primeiras terras a aderir à sétima arte, a ver grandes filmes, em sucessivas décadas do século XX. No FACE, o Dr Armando Bouçon organizou e mantém uma mostra de cartazes antigos, (que vão rodando, pois são imensos). Vale a pena visitar!
Quando eu era jovem, já algumas das casas de espetáculos, que foram pioneiras, tinham desaparecido, mas as duas existentes estavam no seu apogeu: a do Teatro São Pedro e a do Casino. Ao ritmo de um filme por dia, em cada uma, tínhamos ao dispor sessenta sessões por mês. Quantas vezes, para não perdermos  nenhuma das que aconteciam em simultâneo, íamos a uma à tarde e a outra à noite!
A sessão das 21.30, no Casino, apresentava, em determinados dias da semana, ao intervalo, atuações ao vivo de artistas consagrados (recordo, por exemplo,  Simone de Oliveira ou Tony de Matos). No Teatro São Pedro, os intervalos eram sempre uma festa, cheia de luzes, refulgindo sobre enormes retratos emoldurados de vedetas de Hollywood, e sobre uma elegante multidão em movimento em direção ao café bar, nos átrios ou nas escadas que ligavam a plateia aos balcões. Um espetáculo dentro do espetáculo! O filme podia até desiludir, mas não a "movida" de gente, tão semelhante à da Avenida, embora num espaço de convívio mais íntimista e requintado, que fazia o preço do bilhete valer a pena.
E agora?  Agora, já não há o Teatro S Pedro, que foi lamentavelmente demolido, na década de oitenta, para dar lugar a um prédio de andares, sem história e sem estilo arquitetónico, embora com o  compromisso de manter aberta uma sala de espetáculos, que está lá, mas afeta a outros fins. O Casino, cuja sala também está lá e é, sem dúvida, uma das melhores que há no país. há muito encerrou, igualmente, as portas à sétima arte.
Resta o Multimeios, que vem ensaiando uma programação de produções populares, que pouco público atraem. E não admira, pois nem sequer assegura o mínimo de regularidade - abre quando abre e fecha quando fecha. Em princípio, um filme por semana, com erráticas intermitências, algumas longas. como as deste dezembro de 2017: até ao dia 6, esteve em cartaz o medíocre "remake" de um famoso policial de Agatha Christie (Crime no Oriente Expresso);  seguiram-se duas semanas de pausa; a 21, reabriu, com estreia de "Star War. o último Jedi", que se conservará em exibição até 3 de janeiro. (Para crianças: "O gangue do parque",  de  21 a 28,  e "A magia dos póneis", de 28 a 3 janeiro). 
Devo acrescentar que, este domínio, também poderia estar no meu "topo", mas só graças aos festivais -  CINANIMA, FEST, Cinema imersivo... Todos, sobretudo o CINANIMA, colocam Espinho no "mapa mundi" da cinefilia, mas sem espetáculos 365 dias por ano não se ganha a nova geração para esse mesmo mundo.

3 - No topo, coloco o nosso Centro de Saúde.
 Há dias, enquanto ouvia o programa da manhã da Antena 1, em que os ouvintes criticavam duramente o setor da saúde, de norte a sul do país, pensava: podem ter razão no que respeita às suas terras, às urgências dos hospitais. à regressão geral, que os cortes orçamentais vão, gradualmente, provocando no sistema, mas a crítica desenfreada a que se entregam, durante o seu minuto de notoriedade, contrasta com a realidade que conheço na unidade de saúde de Espinho. Aqui, a organização das consultas, embora haja que marcar com alguma antecedência, é eficaz. As funcionárias da receção são simpáticas e despachadas. O "médico de família" é competente, amável e recebe-me à hora marcada, com uma pontualidade raras vezes vista na medicina privada. Os médicos fazem equipa com enfermeiros, e não interferem na sua esfera de autonomia. Esta conjugação de especialidades, garante a qualidade dos serviços, não só de medicina como de enfermagem. Sei-o por experiência vivida: qualidade superlativa! Há uns tempos, fui operada (muito bem) num afamado hospital privado do Porto. O pior foi o posterior tratamento para fechar a ferida aberta por um longo corte cirúrgico, que teimava em não fechar completamente. Durante mais de três meses corri para o dito hospital, constantemente. Por fim, fiquei por minha conta, e decidi recorrer ao centro de saúde, onde solução encontrada pela Enfermeira Patrícia me curou em quarenta e oito horas. Quem sabe, sabe! Aqui fica o meu público testemunho do que considerei um verdadeiro milagre. 
E, por isso, afirmo convictamente: perdemos o nosso excelente  "hospital de proximidade", com todas as valências que nos oferecia (uma perda tremenda"), atravessamos tempos difíceis, corremos o sério risco de desbaratar, um pouco por todo o lado, o serviço nacional de saúde, de que justamente nos orgulhávamos no quadro europeu, mas ainda assim, podemos confiar em pessoas, que, com o seu saber e experiência, resistem à crescente falta de meios. Assim seja, até que estas políticas de austeridade sejam coisa do passado...

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

CONGRESSO MUNDIAL DE MULHERES DA DIÁSPORA

Em 2018,
O projeto visa reunir num encontro em Portugal mulheres da nossa Diáspora, de vários países e de diferentes áreas académicas e profissionais, individualidades que se impuseram nas Letras e nas ciências, na política, no mundo empresarial, no movimento associativo, no voluntariado, a fim de procederem, em conjunto, a um balanço, quer dos progressos alcançados no campo da igualdade de género e da vivência da cidadania, quer do que falta fazer. Ou seja, do contributo que se sentem capazes, pelo seu próprio exemplo, para o dar visibilidade à comunidade em que se inserem, e para, pela via da comparação de diversos percursos e experiências, pensarem estratégias para a mudança no "status quo", procurando o nivelamento por cima. Espera-se que, da reflexão e debate sobre a história do presente, nasça o impulso de união para dinamizarem a história do futuro. Será, assim, objetivo fundamental o conhecimento de situações concretas, avaliadas pelas próprias mulheres. e, a partir desse conhecimento, o traçar de caminhos para a consecução de mais igualdade, de melhor sociedade e democracia. 
Outras finalidades podem vir a enriquecer a iniciativa - por exemplo, a defesa da lusofonia, da língua e da cultura, vertente em que as mulheres se têm distinguido...
A ideia partiu do Secretário de Estado José Luís Carneiro, que aponta para um modo de execução que já deu boas provas no passado - uma parceria com ONG's (lembramos os "Encontros para a Cidadania", presididos pela Drª Maria Barroso, entre 2005 e 2009, uma colaboração entre a Secretaria de Estado das Comunidades, a Associação Mulher Migrante, a Fundação Por Dignitate e outras organizações da sociedade civil).
A "Mulher Migrante - Associação de Estudo, Cooperação e Solidariedade" foi a primeira a aderir ao projeto, que foi apresentado pelo Secretário de Estado José Luís Carneiro e por uma das fundadoras e dirigentes da AMM, Maria Manuela Aguiar, em Viana do Castelo, a 16 de dezembro, durante o II Encontro Mundial de Empresários da Diáspora.
Foi o lugar ideal para fazer o anúncio! Primeiramente, porque Viana é a cidade onde se realizou em junho de 1985 o 1º Encontro Mundial de <Mulheres Portuguesas, dirigentes associativas e jornalistas da Diáspora,  um congresso  pioneiro de mulheres emigrantes, a nível mundial e o primeiro passo nas políticas públicas da emigração portuguesa, com a componente de género, Mas não só - também porque este II Encontro apresentava um número surpreendente de participantes mulheres  - 167, mais de um terço do total de empresários que livremente se inscreveram para falar de empreendimentos presentes e futuros. 
.

ADMIRÁVEL CATALUNHA

Uma bela lição de democracia nos deu  a Catalunha! Em eleições comandadas por Madrid (Castela), com os principais dirigentes independentistas presos nos cárceres espanhóis ou exilados, o Povo manteve a maior civilidade e deu a maioria parlamentar aos perseguidos.
A UE, como nós próprios bem sabemos, move-se pelos interesses dos mais poderosos, um dos quais, embora relativamente menor, é a Espanha. Não há, por isso, independência possível para uma Catalunha próspera fora da UE, mas haverá uma 3.ª via, alcançada pelo diálogo político e pela procura se consequentes soluções jurídicas, adequadas a um Estado feito de Nações - talvez os EU da Espanha,  ou uma monarquia federativa. Não sei...não sou nem catalã, nem castelhana e também não sou constitucionalista. Mas modelos constitucionais não faltam! Falta inteligência a Rajoy (que parece uma espécie de Putin do ocidente - em decadência ao contrário do verdadeiro Putin...) e a um rei irrelevante, vencido nas urnas pela república catalã.
Sendo o melhor argumento das monarquias modernas a sua capacidade de unir os povos do reino, ou seja, seu poder moderador, e faltando este à  de Madrid, não se lhe pode prever vida longa

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

EMIGRAÇÃO NAS ESCOLAS

 Ferro Rodrigues. 110973657 Resolução da Assembleia da República n.º 267/2017 Recomenda ao Governo a valorização do ensino da história da emigração portuguesa A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição, recomendar ao Governo que: 1 — Reforce a presença nos currículos escolares da história da emigração portuguesa, de forma integrada e nas suas várias dimensões. 2 — Apoie o desenvolvimento da investigação sobre a emigração portuguesa nas instituições de ensino superior portuguesas e estrangeiras, em particular em países com presença relevante de comunidades portuguesas. Aprovada em 27 de outubro de 2017. O Presidente da A